Sábado , 23 de Setembro de 2017

Polícia

Geddel desembarca em Brasília após ser preso em Salvador

Ex-ministro foi preso hoje, três dias após PF encontrar "bunker" na Bahia

Em 08/09/2017 , às 17h22 -

    Do R7, com Estadão Conteúdo

Imagem: REUTERS/Adriano MachadoGeddel desembarca em Brasília; ele ficará preso na Papuda(Imagem:REUTERS/Adriano Machado)Geddel desembarca em Brasília; ele ficará preso na Papuda 
 O ex-ministro dos governos Temer e Lula, Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), desembarcou em Brasília às 16h desta sexta-feira (8), em voo que partiu de Salvador, após ser preso sob acusação de lavagem de dinheiro. Ele foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal) para realizar exames e em seguida irá para a Penitenciária da Papuda.

O político baiano foi preso na manhã de hoje em casa, onde cumpria prisão domiciliar, no bairro de Apipema, em Salvador (BA), em uma nova etapa da operação Cui Bono?, que apura ilegalidades cometidas pelo peemedebista na Caixa Econômica Federal.

A prisão acontece três dias após a PF encontrar R$ 51 milhões armazenados em malas e caixas de dinheiro em um apartamento da capital baiana. O imóvel foi emprestado à família do ex-ministro para, supostamente, guardar objetos da família.

Na quinta-feira, a PF confirmou que fragmentos das digitais de Geddel foram identificados nas notas de dinheiro apreendidas. O chefe da Defesa Civil de Salvador, Gustavo Ferraz, também teve as digitais encontradas na dinheirama apreendida e foi preso hoje.

Iniciada a partir de descobertas da Lava Jato, a operação Cui Bono? investiga irregularidades cometidas por Geddel na vice-presidência de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal, cargo que ocupou durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

O pedido de prisão partiu do juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, que cuida da Lava Jato na capital federal e da Cui Bono?. Em seu despacho, o magistrado afirma que Geddel agiu de forma "sorrateira" ao esconder as milhares de notas de reais e dólares.

"A autoridade policial explica que foi realizado exame pericial no dinheiro apreendido, no qual os Peritos lograram localizar alguns fragmentos de impressões digitais de GEDDEL QUADROS VIEIRA LIMA e de GUSTAVO PEDREIRA DO COUTO FERRAZ no material. Quanto a este último envolvido, a autoridade policial aponta como sendo pessoa ligada a GEDDEL QUADROS VIEIRA LIMA, tendo sido, inclusive, indicado por ele para buscar, em 2012, valores ilícitos remetidos por ALTAIR ALVES, emissário de EDUARDO CUNHA", escreveu o magistrado em despacho (leia na íntegra).

Já o Ministério Público Federal afirma que Geddel é um "criminoso em série" e que faz "de uma dada espécie de crime sua própria carreira profissional".

A defesa de Geddel Vieira Lima informa que somente se manifestará "quando, finalmente, lhe for franqueado acesso aos autos, especialmente aos documentos que são mencionados no decreto prisional. Pesa dizer que o direito de defesa e, especialmente, as prerrogativas da advocacia, conferidas por lei, sejam tão reiteradamente desrespeitadas, impedindo-se o acesso a elementos de prova, já documentados nos autos".

Enviar por email

Comentário: Os comentários serão incluídos na mensagem

Comente esta notícia