Em 2010-02-13 19:01:18 - Por Blog do Feitosa Costa

Nascido em Brejo, no Baixo Parnaíba; filho do médico e ex-prefeito Carlos Muniz; sobrinho do médico e ex-prefeito Omar Furtado, o deputado estadual Carlos Filho ( PV) está no seu segundo mandato e deve se reeleger porque seu esquema político se fortaleceu com a volta de sua ex- sogra,Roseana Sarney, para o governo do Maranhão, mas deverá amargar uma humilhante derrota na terra em que nasceu: lideranças populares de Brejo, estressadas com a falta de atenção do parlamentar, comunicaram a seu Tio que o seguirão na próxima eleição de prefeito mas agora, para deputado, não.

O ex-prefeito Omar Furtado está encontrando muitas dificuldades para manter a seu lado expressivas lideranças municipais que já se decidiram a apoiar outros candidatos.O deputado Carlos Filho, segundo informações de fontes políticas de Brejo, é um bom deputado para o município, conseguindo a liberação de verbas para obras da comunidade, mas ao mesmo tempo é muito ausente.São poucos os líderes políticos que têm acesso a Filho, que não amplia o seu leque de amizades na sua própria terra, deixando espaço para que os eleitores comentem com frequência que ele não pisa em Brejo.

Marcos  Caldas

Enquanto Carlos Filho se ausenta de Brejo, seu adversário histórico na política e familiarmente, Marcos Caldas, praticamente todos os finais de semana se encontra na terra natal, conversando nas esquinas com os populares, participando até mesmo de festas humildes e bancas animadas em estabelecimentos modestos.

A residência de Marcaos Caldas, na entrada do centro histórico de Brejo, tem seus portões permanentemente abertos quando o parlamentar se encontra na cidade.Assim, tem crescido o número de eleitores de Marcos Caldas e abre-se espaço para que outros candidatos, apoiados por lideranças criteriosas e de respeito, consigam iniciar trabalho com resultado positivo.

 

Leia Mais.

Em 2009-10-25 11:01:02 - Por Blog do Feitosa Costa

A direção de O Quarto Poder, que tem como editor responsável o jornalista Udes Filho, protocolou ofício no dia 13/10/2009, encaminhado ao secretário de Trânsito e Transportes de São Luís, José de Ribamar Barbosa Oliveira Filho, pedindo a autorização da distribuição gratuita de O Quarto Poder, nos Terminais de Integração. Para protocolar o oficio, foi paga a quantia de R$ 5,00.

Há conhecimento de que outros jornais, há meses, vendiam seus exemplares, sem qualquer autorização, mas, mesmo assim, a direção do matutino resolveu oficializar e regularizar a distribuição dos jornais nos Terminais de Integração de São Luís.

Segundo a direção do jornal, O Quarto Poder vem sofrendo represálias, por setores da SMTT (Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes), pelo fato de ter publicado matérias, solicitadas por moradores de alguns bairros de São Luís. As matérias traziam reclamações da população com as questões do lixo, buracos e fornecimento de água pela Caema (Companhia de Águas e Esgotos do Maranhão).

O lixo da cidade e a manutenção do asfalto das vias publicas são de responsabilidade da Prefeitura de São Luís, gerenciada pelo prefeito João Castelo (PSDB). Também é de responsabilidade da Prefeitura de São Luís a administração dos Terminais de Integração, locais onde o jornal O Quarto Poder, passou a distribuir gratuitamente e diariamente seus exemplares, enquanto aguardava a autorização oficial da Secretaria de Trânsitos e Transportes de São Luís.

Para a direção do jornal, desde que foram publicadas a primeira matéria, mostrando os buracos e o lixo espalhados pelas ruas e avenidas do bairro São Raimundo, a equipe de distribuição do matutino foi barrada no Terminal de Integração da Praia Grande.

“Procuramos a assessoria de imprensa da SMTT, para tentar solucionar o problema, e fomos informados que não mais poderíamos distribuir, gratuitamente, os exemplares de O Quarto Poder, nos Terminais de Integração. Segundo a assessoria, teríamos que esperar que o oficio chegasse nas mãos do secretário José de Ribamar Barbosa Oliveira Filho, e esperar a decisão dele sobre o nosso pedido. Ainda nos deram uma segunda opção, a de agendar uma audiência com o secretário Ribamar Oliveira, para tentar convencê-lo a nos dar a autorização solicitada em ofício”, descreve a direção do jornal.

Pelo menos dois outros jornais vendem seus exemplares diariamente, nos Terminais de Integração de São Luís. Um deles já comercializa seus exemplares há vários meses e só, recentemente, adquiriu autorização da SMTT. O outro continua vendendo seus exemplares sem qualquer autorização.

Além dos dois jornais, que sempre venderam livremente seus exemplares nos Terminais de Integração, sem serem incomodados pela SMTT, outras empresas distribuem panfletos e até amostras grátis de produtos cosméticos. Mas causa estranheza o fato de apenas o jornal O Quarto Poder ter sido barrado nos Terminais de Integração.

O jornal O Quarto Poder vai completar dois anos de existência como jornal diário. Passou por muitos problemas, conseguiu se segurar, crescer e formar uma equipe de oito funcionários. O Quarto Poder, apesar de ser um dos mais novos jornais do Maranhão, foi o primeiro impresso de menor tiragem, a estar diariamente na in

Leia Mais.

Em 2009-10-25 10:51:00 - Por Blog do Feitosa Costa

Os projetos que tramitam no Legislativo estadual serão distribuídos
automaticamente nas Comissões para os parlamentares. É isso que estabelece o Projeto de Resolução Legislativa apresentado pelo
deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB).
“Na prática o presidente de cada comissão faz a distribuição com critério eminentemente político, se for uma matéria de Governo se dá preferência ao aliado do governo. Se for ao contrário, uma matéria de interesse da oposição se dá preferência a oposição. E fica sempre a partir do critério político de cada Presidente”, explicou o
parlamentar, que preside a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da casa.
Segundo o deputado do PCdoB projetos similares de outras Assembléias Legislativas no país foram avaliado.
“Buscamos nas outras Assembléias e já há exemplo, de distribuição automática muito bem feita no Legislativo do Rio Grande do Sul. Não há norma no Regimento Interno da casa que regulamente como deve ser a distribuição de qualquer projeto nas comissões”, frisou o parlamentar
comunista.
Rubens Júnior assegurou que a sua proposta não cerceará o poder dos presidentes das Comissões. “Lembramos que permanece um Instituto extremamente importante, o qual seja o Poder do Presidente avocar qualquer projeto para relatar, ou seja, ele continua tendo o poder de decidir quem será o Deputado que irá relatar dentro do poder,de avocar qualquer Projeto de Lei”, afirmou o deputado comunista.
O Regimento Interno do parlamento estadual prevê uma única
regulamentação que aponta que o autor do projeto não pode ser o relator. “Nós podemos corrigir essa falta de regulamentação, assim já é feito para a distribuição de qualquer projeto no Poder Judiciário.
Ao se dar entrada numa ação é feita a devida distribuição para saber qual o Juiz irá dar o direito em cada caso”, lembrou o Rubens Júnior.
Para o deputado do PCdoB a aprovação do seu projeto deixará de lado as decisões eminentemente políticas e tratará de forma ainda mais autônoma e independente a atividade do Poder Legislativo.

 

Leia Mais.